segunda-feira, 9 de julho de 2012

Coração de mãe

"Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo!" 

A frase circula como sendo de José Saramago mas, segundo a Fundação do mesmo, não é da sua autoria. Seja de quem for é uma grande verdade, e enquanto mãe, sinto que é das primeiras lições que os nossos filhos nos ensinam. 
Sim, porque nós ensinamos-lhes muita coisa, mas há que assumir que aprendemos tanto ou mais com eles. Coisas que se eles não existissem na nossa vida, com esta ligação que ultrapassa as explicações cientificas da genética, não aprenderíamos. 
Hoje tenho o coração apertado. E quando se aperta, a minha vontade é de me isolar do mundo com a J. Abraçá-la, beijá-la, brincar com ela. Sem lhe passar o que sinto, aproveitá-la ao máximo, mimar-me com ela. Mas a verdade é que nos seus 90 e tal cm de gente, ela já tem a sua vida e não posso desviá-la dela. Os amigos, a escola, a praia. As emoções de uma idade em que tudo é visto com um sorriso mais do que rasgado e um brilho nos olhos sem igual (enquanto adultos, não deveríamos nunca perder esta capacidade). 
E pronto, lá fui deixá-la à escola com o meu mimo e grande sorriso de sempre para a J. fazer a sua vida.
E fiquei a pensar, são este pequenos momentos que nos vão treinando o coração para o dia em que eles sairão definitivamente do ninho e voarão sabe-se lá para onde. O coração de mãe, esse ficará apertado, mas continuará a bater e a ser feliz sempre pelo sorriso e pela felicidade daquilo que sempre sentiremos como "nosso", mas não o é. O que será sempre meu, dela, do pai e de quem a rodeia é e será sempre a relação que construirmos. 

1 comentário:

  1. Hum... estás a dar-me vontade de engravidar outra vez, o que é muito mau sinal :):).
    Parabéns, minha querida. Vamos ter que arranjar maneira de transformar mais este blog num lindo livro, para que nunca nos esqueçamos daquilo que realmente importa e qual o nosso papel (ou um dos) no meio de tudo isto.
    Um grande beijinho, meu e de todos cá de casa.

    ResponderEliminar