domingo, 18 de novembro de 2012

Mais tóninó que nunca...

Mas com uma serenidade grande cá bem dentro do meu peito. Os últimos dias não têm sido fáceis. Notícias desagradáveis umas atrás das outras... mas cada vez mais a certeza de que a vida é para ser vivida sem pudor ou entremeio  Temos de ser fieis a nós mesmos. Temos de ser felizes.  O que os outros dizem de nós é secundário. Perdi um tio que ganhei com o meu casamento repentinamente quando na mesma semana vi outros brincarem com a morte, desdenhando da vida, apenas para serem o centro das atenções. É ingrato que quem ame a vida parta cedo e quem a desdenhe continue por cá. Talvez seja a vida a querer dar lições a quem consigo brinca. Uma espécie de castigo à antiga onde se ia com orelhas de burro para um canto da sala.  
Fui mãe pela segunda vez há dois meses e não há explicação para este milagre de vida. Temos de celebrar a vida, aproveitar casa dia como se fosse o ultimo mesmo quando a Segurança Social nos deu uma informação errada e agora nos envia uma conta que não fazemos a mínima como é que vamos pagar.Que se lixe o Sócrates, o Passos Coelho, o preço da gasolina e essas merdas todas que só servem para nos tirar o sono. O que eu gostava de dar um antídoto às minhas filhas para que se tornassem imunes a estas tormentas inevitáveis da vida. Não posso! Como é que vou prepará-las? Não sei bem, mas acho que amando-as cada vez mais com mais força a cada batida do meu coração. Ensinar-lhes que podem chorar mas que a cada dia que passe têm de olhar ao espelho e dizer que gostam de si, pegar no telefone e dizer que gostam a quem sintam que o devem fazer, abrir a janela e sentir bem profundamente o cheiro da terra olhada ou o calorzinho do sol de inverno a bater na cara. 
Pode ser poético, mas é mesmo isto. No fim de contas, quando a vida se apaga, e as contas se fazem inevitavelmente o que é que fica? As gargalhadas, os abraços, o amor que se sentiu e que se fez sentir. Grande parte do que se vive e verdadeiramente importa não é visível como disse tão bem Exupéry.

Sem comentários:

Enviar um comentário