segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Coração de mãe...

Dividido entre a terra e o céu.
Esta música é para as minhas duas filhas.
A que tenho o privilégio de poder abraçar, beijar e sentir junto ao meu corpo... e a que só com o espírito tento tocar. A minha Ninocas de quem tenho tantas saudades.
As minhas lindas filhas. Uma loira. Outra ruiva.
As partes de mim, que de mim sairam. As partes de mim que tomam o seu rumo. Cada uma à sua maneira.
Coração quente, mas com um buraquinho que nunca nada preencherá.
Já beijei a Joana ao deitar ea ti, Leonor, minha Ninocas... o meu beijo de mãe para o céu, para o algures onde sei que estás. O algures que acredito, mas o algures que não me chega para matar as saudades que tenho do teu olhar e do teu sorriso.
Sei que não podes voltar. Sei que seria egoismo pedir isso.
Prometo aprender a lidar melhor com esta saudade que sinto.
Por enquanto, fecho os olhos com o teu sorriso na minha mente e peço para que essa memória me aqueça a parte do coração que gelou no dia 13 de Janeiro.


7 comentários:

  1. Força e esperança Irina.beijinho Estela

    ResponderEliminar
  2. Olá Irina,

    Cheguei agora ao teu blogue e estou impressionada (falta-me adjectivo mais adequado. A forma como te expressas é de louvar... mas a tua força... É do outro mundo, não sei e espero nunca saber aquilo porque estás a passar, já morreram alguns dos meus e á tive que preparar e comunicar a uma mãe a morte de um filho e foi das piores coisas que vi - sim, porque eu estava mal, mas a dor a trespassar o rosto daquela mulher foram ... (não tenho adjectivo).
    Ao ler o que escreves ocorreu-me uma frase que andou pelas bocas das redes sociais e que é atribuída a Saramago (mas que não o é):
    "Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem.

    Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado.

    Perder? Como? Não é nosso, recordam-se?

    Foi apenas um empréstimo"

    Suspeito que em nada alevie a tua dor, mas é tão profunda e acertada que tinha que a partilhar contigo.

    Bêjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,

      Muito obrigada.
      Conheço bem estas palavras e acredito nelas piamente.
      Humanamente é dificil. Mas sem duvida que a Leonor nos escolheu como pais. A minha missão como sua mãe não terminou com a sua morte. A Leonor ensinou-me e continua a ensinar-me todos os dias. tal como a minha, Joana. Ser mãe é uma dádiva, seja em corpo, ou apenas, espiritualmente, como agora sou da minha Ninocas.
      um beijinho

      Eliminar
  3. Irina,

    Já sigo o seu blog há algum tempo e a vossa história comove-me e deixa-me sem palavras...
    Quero enviar-lhe a si e à sua família um beijinho cheio de coragem

    ResponderEliminar
  4. Olá Irina senti necessidade de correr este blog por tudo, pela intensidade das partilhas, pela força das palavras, pelos testemunhos de amor incondicional, pelo papel de mãe maravilhoso que está presente em todos os post, a forma como escreves revela a personalidade forte que és, deixas as pessoas presas aqui, a coragem e força que transmites é desmedida, admiro.te muito!
    Um beijinho enorme!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Cristina por tão doces e queridas palavras que me aquecem o coração.
      Um beijinho

      Eliminar