terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Sem lágrimas

Não se pode chorar quando o que se sente não é dor. É vazio. Um vazio enorme. Sem fim. Sem dimensão. Um vazio que veio para ficar. Um vazio ao qual tenho de me habituar. E o hábito, esse, só vem com o tempo. Só me resta deixá-lo passar.

6 comentários:

  1. Olá Irina
    Não me conhece e eu também não a conhecia a si até um domingo através de uma amiga do fb ter tido conhecimento da sua historia, como diz não é a única mãe desta situação, para nós mães qualquer situação destas é de respeito e entreajuda.
    Sou mãe de 3 bebes fantásticos, com 4anos, 2 anos e 5 meses e talvez por a minha mais pequena ser da idade da sua Leonor e ter aos 2 meses passado por uma tosse convulsa que foi muito complicada de gerir que me fez pensar ainda mais na sua historia e no que passou.
    Já li todo o seu blog e deixe-me agradecer-lhe pela forma como escreve e como transmite as suas ideias. A Irina deve ser uma pessoa formidável com quem deve ser um prazer comunicar. Por tudo o que li seu é uma mulher enorme e quem acredita no para lá do que vemos, por alguma razão a Leonor a escolheu para ser a sua mãe.

    Como diz uma razão foi certamente e eu acredito que sim, para além de nós mais alguém comanda esta vida e certamente a Leonor veio para plantar em si uma semente enorme de esperança.

    Irei continuar a segui-la e quero deixar desde já um enorme abraço muito sentido e que tenha toda a força do universo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras.
      Também acredito que fui/fomos escolhidos, mesmo pela história que está por detrás.
      Diz que sou formidável. Não me sinto assim. Só tento levar a vida para a frente com garra e amor, pois é isso que ensinamos à nossa filha mais velha e é isso que iamos ensinar à Leonor. Que em 3 semanas de hospital nos ensinou tanto.
      Obrigada pelo abraço.
      É com o coração quente que o recebo e devolvo o mesmo.

      Eliminar
  2. Vou parecer a pessoa que fez o comentário de cima: Não a conheço e cobheci pela triste notícia que soube por outra pessoa do facebook, e por consequência conheci e li o seu blogue. Por acaso conheço o Miguel, somos amigos de infância (afastados), vemo-nos pouco mas ainda assim tenho-o como amigo. Admiro-os aos 2 e admiro como conseguem sobreviver com alegria (dentro do possível) mais não seja para que a filha mais velha possa continuar feliz, e porque esse seria o desejo da pequena estrela que brilha no céu. Talvez muitas pessoas estejam a aprender consigo a ter força. É sem dúvida uma inspiração... mesmo nos dias em que se sente fraca (porque não podemos ser fortes todos os dias). Não sei se ajuda alguma coisa saber isto mas tive necessidade de o dizer.

    Continuarei a ler o seu blog na partilha das alegrias e das tristezas :)

    Marisa




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Marisa pelas lindas palavras. Aquece-me o coração sem dúvida. O meu muito obrigada e muitas felicidades

      Eliminar
  3. Bom dia,

    Confesso que desconhecia este teu "espaço".

    Gosto muito de saber que te soltas, que escreves, que comunicas, que sentes, que choras, que ris... Adoro ver-te assim, a viver, apesar de TUDO.

    Somos primos, sou apoio, sou ajuda, sou sensível, sou força, sou espiritual, ACREDITO!

    BEIJOS PRIMA, estou convosco sempre!

    joaozinho

    ResponderEliminar