terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Sem palavras...

Falei nesta mãe minutos depois de tirar do meu colo a minha querida Leonor.
Acho que a dor e o choque eram tão grandes que queria encontrar uma dor maior que a minha, para pensar que há sempre alguém pior do que nós. E, infelizmente, foi tão fácil de encontrar: a mãe do Rui Pedro. Falei nela e disse que pelo menos eu sei onde está a minha Leonor.
A minha Ninocas partiu há um ano e 15 dias e o Rui Pedro continua desaparecido há 16 anos.
Há 16 anos que o coração desta mãe não tem sossego.
O meu está triste. O dela imagino-o em retalhos. Uma angústia constante. Uma esperança eterna. Um turbilhão de sentimentos bem piores que os meus.
Desejo que a vida desta mãe, tenha um revés e que a sua esperança se materialize.
Até lá, acordemos para a vida. Não olhemos só para o nosso umbigo no dia-a-dia. Demos graças ao que temos e pensemos que há sempre alguém pior do que nós. Infelizmente, não é assim tão impossível.
Ganhemos consciência do quão pequenos somos perante as rasteiras da vida, porque só assim, conseguiremos uma força de espírito que nos ajuda a levar a vida adiante. Acho sinceramente que é o caso desta admirável senhora.


1 comentário:

  1. É sempre triste.
    Estive a ler o teu blog, admiro a tua força e dá-me força a mim, apesar de não ter passado pela mesma situação, tive um aborto retido com 12s+4d faz hoje uma semana, e na busca de respostas e para aliviar a minha dor, cheguei até ao teu blog-
    Bj

    ResponderEliminar