quarta-feira, 19 de março de 2014

Hoje é dia do Pai

O meu partiu faz este ano 20 anos.
O que escolhi para Pai das minhas filhas está longe fisicamente, mas nos nossos corações.
Ser pai é o complemento de ser mãe. As mães sabem do que falo.
Não desdenho dos homens porque ser Pai tem uma dificuldade que as mães não têm: entrar na vida de dois seres que já convivem há quase ou mesmo há 9 meses.
Nós sabemos o que é ter um filho dentro de nós.
Eles sentem os pontapés, ajudam a montar a mobília de quarto, ajudam-nos no trabalho de parto mas tornam-se verdadeiramente PAIS no momento em que vêem os filhos nascer.
O instinto protector activa ali mesmo para não mais se desligar. Seja menino ou seja menina. São deles. São para proteger e cuidar.
E levam isto tão à letra que o Pai das minhas fez o maior sacrifício de todos: foi para longe de nós.
Ele não gosta que escreva sobre ele, mas não podia deixar de fazer. Não hoje, que é dia do Pai, e ele é um grande Pai.
Há 21 meses que é Pai via Skype, mais dias do que aqueles que consegue estar fisicamente connosco.
Há 15 meses que vive a dor de perder uma filha, longe da sua família. Longe da filha que cresce a olhos vistos.
Há 21 meses que luta por uma vida melhor para todos nós.
Mas é Pai da Joana que foi concebida, no dia de hoje, há 6 anos e pai de uma estrela que teria ano e meio.
É um Grande Pai porque decidiu dar o seu melhor pelas suas filhas.
Tem os seus defeitos como o meu pai tinha. Como todos os pais têm.
Ter defeitos faz-nos humanos. Torna-nos reais. A perfeição é um utopia da sociedade.
Não fui pedida em casamento. O meu marido perguntou-me, ao fim de seis meses de namoro, se queria ser mãe dos seus filhos. Respondi que sim. A Joana só nasceu por nossa vontade 6 anos depois.
Senti, na altura, que aquela era a maior declaração de amor que podia receber. O melhor elogio da minha vida.
Mas a verdade é que além disto tudo sou uma grande sortuda pois não podia ter escolhido melhor Pai para as minhas filhas. E para uma mãe isso é tudo.
Obrigada Miguel Duarte Silva por seres o Pai que és.
Continuarei a escrever-te este e outros textos, mas para o ano já será a tua filha que em vez de cantar como fez hoje, que te escreverá o que sente. E aí sei, que tirando a nossa estrela, não poderás ouvir e ler melhor palavra senão a que hoje se celebra: PAI.




Sem comentários:

Enviar um comentário